Dia 19 maio, vamos mostrar que NÃO ACEITAMOS continuar a ser desrespeitados, desconsiderados e desvalorizados

Estimado colega professor/educador,
 
Como sabe, no próximo dia 19 de maio (sábado), nós, professores e educadores, manifestar-nos-emos, uma vez mais, em Lisboa, em defesa de condições de trabalho condignas ao exercício da nossa tão nobre profissão: horários de trabalho dentro das 35h (onde para além das aulas, deve estar todo o trabalho individual e na escola, inclusive as infindáveis reuniões) e a exigência de um regime de aposentação adequado ao enorme desgaste, físico e psíquico, que o exercício da profissão docente nos impõe!
 
É mais do que tempo de exigirmos a quem nos governa respeito e consideração! Inclusive exigindo que o tempo de serviço prestado durante o tempo de congelamento (9 anos, 4 meses e dois dias) não nos seja roubado, como pretendem ao só quererem contabilizar 2 anos, 9 meses e 18 dias!
 
A presença e a participação de cada um de nós é fundamental e indispensável! Por várias razões, pois os responsáveis pelo Ministério da Educação costumam dizer-nos muitas vezes, nas reuniões negociais, que estas exigências são dos sindicatos, que os dirigentes sindicais são muito exigentes, pois os professores compreendem bem que não seja possível financeiramente contabilizar todo este tempo de serviço, ou melhorar os horários dos professores, ou permitir-lhes um regime de aposentação específica! “Os professores compreendem bem…e aceitam…”
 
Colegas, será que o Ministério tem razão??? Será que os professores aceitam mesmo o prolongar deste estado de coisas, que se arrasta há tanto tempo, e que desgasta tão profundamente o ser professor hoje?
 
Estou convicta que não aceitam! Não, os professores verdadeiramente não aceitam! É isso que constato diariamente nos vários contactos (telefonemas, emails ou presencialmente) que tenho com muitos dos nossos associados! Seja aquando dos recorrentes concursos, do recente recenseamento que houve nas escolas, das listas de candidatos às vagas de acesso ao 5º e 7º escalões da carreira, da avaliação do desempenho e das suas injustas quotas das menções de Muito Bom e Excelente, ou devido ao ambiente pouco democrático que se vive em muitas escolas, da burocracia que ao invés de diminuir só aumenta, das turmas gigantescas e difíceis de controlar, da indisciplina e da violência escolar, cada vez mais difíceis de lidar, enfim… tantas e tantas razões que provocam descontentamento e pressão ilimitados…

Estou profundamente convicta que os professores não aceitam continuar a ser desrespeitados, desconsiderados e desvalorizados!
 
Estou também convicta de que se não comparecermos a esta Manifestação onde poderemos e deveremos afirmar tudo isto, o ME entenderá que sempre tem razão e que os professores, afinal, aceitam!
 
A resposta será dada por cada um de nós!
 
Acredito nos professores, acredito nos sócios da ASPL, acredito que estaremos à altura do momento que vivemos!
 
Até Sábado, às 15.00h na Rotunda Marquês de Pombal, em Lisboa.

Cordialmente,

Fátima Ferreira
Presidente da Direção Nacional da ASPL