Manifestação Nacional | 19 maio | Lisboa

Completamente alheio às necessidades da população, que tanto contribuiu para se ultrapassar a crise da Troika, o Sr Primeiro Ministro, ao invés de agradecer o esforço imposto a milhares de famílias e devolver, mesmo que de forma faseada, os valores retidos, ou apenas o tempo de serviço prestado, vem agora ingratamente anunciar que não se devem valorizar os seus vencimentos, mas sim adquirir mais recursos humanos. Está montada a estratégia da desvalorização salarial portuguesa: baixos vencimentos para todos!
Todo esforço feito não é reconhecido, nem tão pouco valorizado, todo o montante aos trabalhadores retirado é canalizado para outros fins, salientando-se, com ofuscante brilho, o caso da banca. Chega a ser desumano e até temos de agradecer por ter emprego, por podermos contribuir para o desenvolvimento do país. Que Portugal somos – terceiro mundo ou nem a tal chegamos? Vergonha!
Os estranhos casos dos concursos (menosprezo pelo serviço AEC e ensino público) e as “legalmente” consentidas ultrapassagens na carreira (colegas com igual ou menor tempo de serviço a serem mais bem posicionados nos escalões), não são mais que potenciadores de discórdia, visando que vigore o histórico “dividir para reinar”!
O que fazem os partidos da coligação, para além de resoluções e recomendações, onde estão as ações relevantes, que na prática, realmente, fazem a diferença?
Temos de ser nós próprios a reivindicar, a literalmente “dar corpo ao manifesto”, a fazer ouvir a nossa voz.
Dia 19 lá estaremos e, alto e a bom som, denunciaremos a ingratidão prestada por quem nos teima em maltratar!