Sentida homenagem à Dr.ª Amélia Fialho

A ASPL presta sentida homenagem e gratidão à nossa amiga, professora, sócia e dirigente sindical – Dr.ª Amélia Fialho, a quem foi tragicamente tirada a vida, no passado dia 1 de setembro!
 
Para além de um ser humano excecional, a Dr.ª Amélia Fialho era também nossa colega, na Escola Secundária Jorge Peixinho, sócia da ASPL e dirigente, há duas décadas, do nosso sindicato independente.
 
Desde o ano escolar 1999/2000, em que começou a fazer parte dos órgãos sociais da ASPL, exerceu o cargo de tesoureira, depois de coordenadora-adjunta e de coordenadora do Executivo Distrital de Setúbal, com 50% de dispensa sindical, e, a partir daí até à sua trágica morte, sempre em acumulação pois estava a 100% de atividade na escola; foi diretora da Região da Grande Lisboa, Sul e Ilhas e presidente da Mesa da Assembleia Regional da Grande Lisboa, Sul e Ilhas, cargo para o qual voltou a ser eleita nas últimas eleições do sindicato.
 
Colaboradora empenhada e dinâmica, era sempre com um sorriso e total disponibilidade que nos visitava, regularmente, na delegação do Montijo, a fim de saber informações sobre a atividade sindical, sobretudo das sucessivas negociações com o Ministério que nos tutela, e levar o material informativo para afixar na sua escola, possibilitando assim a informação aos demais colegas de profissão.
 
Não encontramos palavras que consigam expressar a dor e a tristeza que sentimos por esta horrível perda, assim como para, de algum modo, nos desculparmos por não termos sido capazes de estar mais atentos à sua pessoa e ao acompanhamento que certamente precisaria pela coragem que teve em adotar, sozinha, a filha de 9 anos, que, 14 anos mais tarde, num hediondo crime, lhe tiraria a vida!
 
Como toda a regra tem exceção, o exemplo desta nossa querida colega é a exceção à regra em que todos nós, pais, professores, cidadãos, bem acreditamos: que uma boa educação, o amor, o cuidado e a persistência, podem transformar o ser humano para melhor, não obstante as circunstâncias e contrariedades! Neste caso, infelizmente, tudo isto não foi suficiente para moldar o coração, a razão e o pensamento desta filha (que, alegadamente, matou a sua mãe, a nossa amiga Amélia Fialho)!
 
Não será, portanto, por falhanço de nenhuma das instituições que isto foi possível: educação em casa, na família, na escola, na igreja, na comunidade; essa educação foi, certamente, a melhor! Não será também pelo falhanço de outras instituições que foram chamadas em momentos mais complicados, como a polícia ou a comissão de proteção de menores! Todas estas pessoas e instituições fizeram, certamente, o seu melhor! Mas talvez não seja despiciendo que todos nós e estas instituições nos questionemos sobre como fazer ainda melhor, para que exemplos horríveis como este não possam jamais repetir-se!
 
Até sempre amiga, colega e dirigente Amélia Fialho!
 
A Presidente da Direção da ASPL
Maria de Fátima Ferreira