Votação OE 2019: Mensagem da Presidente da ASPL

Caros colegas professores e educadores associados,
 
Foi com tristeza que esta tarde assisti às votações na A. R. relativas às quatro propostas apresentadas pelos grupos parlamentares que não ficaram indiferentes à necessidade de justiça e respeito exigidos à classe docente. 
 
 
Ao PSD, Bloco, CDS/PP e PCP a nossa gratidão pelas iniciativas que apresentaram, cada uma delas com a sua proposta de resolução do problema, assim como pela disponibilidade que têm manifestado em dialogarem connosco. 
 
Contudo, não posso compreender como foi possível, depois das propostas e pareceres que fizemos chegar aos vários partidos, não terem tido a convergência necessária para resolver o problema, empurrando a solução para novas negociações, quando todos sabemos que o governo não quer negociar, nem contabilizar todo o tempo congelado, mas apenas uma pequena parte. Como foi possível, nem sequer aprovarem uma das duas salvaguardas apresentadas, pelo Bloco e pelo PCP, para o caso das negociações falharem, por o governo continuar a fazer o que tem feito ao longo de 2018: não negociar com os sindicatos o que a Lei do Orçamento de Estado de 2018 o obriga (o prazo e o modo de recuperação do tempo de serviço), sem que daqui houvesse qualquer consequência negativa para o governo; apenas para os mesmos de sempre - quem trabalha!
 

Ficar na Lei do Orçamento de Estado para 2019 o que já estava no de 2018 é, de facto, alguma conquista da luta dos professores, mas é tão pouco! 
 

O restante terá de ser conseguido como sempre: através da união e determinação dos professores e educadores em não desistirem e continuarem a lutar por aquilo que é seu de direito!
 
Da nossa parte, poderão continuar a contar com o nosso trabalho em prol do respeito e valorização dos professores e educadores portugueses!
 
Grata, subscrevo-me cordialmente,
Fátima Ferreira