Face à incapacidade do governo e, em particular, do Ministério da Educação em honrar o compromisso que assumiu, cumprir a lei, respeitar a Assembleia da República e tomar medidas que deem um efetivo combate aos problemas das escolas e dos seus profissionais, as organizações sindicais de docentes – ASPL, FENPROF, FNE, PRÓ-ORDEM, SEPLEU, SINAPE, SINDEP, SIPE, SIPPEB e SPLIU – decidiram avançar para a greve na primeira semana de outubro.

Leia Comunicado das organizações sindicais de professores e educadores

De 17 a 21 de setembro 
Ordem de Trabalhos:
1. As inaceitáveis posições do Governo sobre a carreira docente e o retomar das negociações;
2. O incumprimento da Declaração de Compromisso: carreiras; horários e outras condições de trabalho; desgaste e exaustão dos professores; aposentação; Leia mais
 
Tomada de posição em aprovação nos plenários

Carta aos Encarregados de Educação

A Direção Nacional da ASPL lamenta e repudia as falsidades/dados incorretos constantes no Relatório da OCDE, porquanto, quer no que respeita aos vencimentos, quer aos horários de trabalho, os dados divulgados não correspondem à realidade dos factos e da vida dos professores e educadores portugueses!

Colegas, associados,
Que mais irá o Ministério da Educação fazer?! 
Os concursos têm sido uma trapalhada constante, as negociações com os sindicatos têm sido frustrantes, a publicação das listas para as vagas de acesso ao 5º e 7º escalões um desastre, o reposicionamento dos docentes que ingressaram na carreira após 2011 cheio de contradições e injustiças...enfim, um conjunto de situações problemáticas que acrescem ao roubo dos 9 anos, 4 meses e dois dias!!!

Leia mais.

ASPL solicita retificação do Manual de Validação por forma a garantir que o tempo de serviço prestado por docentes profissionalizados nas AEC seja devidamente considerado para efeitos de 2ª prioridade nos concursos externo e externo extraordinário
 
Leia mais

Na sequência do pedido de esclarecimento feito pelo Ministério da Educação (ME) à Procuradoria-Geral da República (PGR), o qual se fez acompanhar por um Parecer Jurídico sobre o reposicionamento na carreira, elaborado, por solicitação da ASPL e demais organizações sindicais, pelo Professor Doutor Licínio Lopes Martins, Professor da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, Doutor em Direito Administrativo, digna-se a tutela a dar a conhecer, de forma parcial, a posição da PGR: o tempo de serviço antes da profissionalização deve ser contabilizado para efeitos de reposicionamento na carreira!

Leia o Comunicado do Ministério da Educação sobre o Parecer da Procuradoria-Geral da República sobre o tempo de serviço antes da profissionalização.